Mercado de seguros oferece pacotes para atender empresas de todos os tamanhos e segmentos

Os crimes cibernéticos vêm crescendo e causando cada vez mais danos às empresas. Segundo estimativas mundiais, os prejuízos decorrentes de ataques cibernéticos devem chegar a US$ 2,1 trilhões neste ano. Além de prejuízos financeiros, a vulnerabilidade no sistema de segurança pode ainda ocasionar a perda de dados sigilosos, resultando em sérias consequências para as organizações.

Em 2017 Brasil foi o segundo país que mais perdeu financeiramente com ataques cibernéticos, atrás apenas da China. De acordo com estudo Norton Cyber Security Report naquele ano, cerca de 62 milhões de brasileiros foram vítimas de ciber crimes, o que correspondou a 61% da população adulta conectada e a um prejuízo de US$ 22 bilhões ao país.

Sites de e-commerce, bancos e empresas, contratos, estratégias de negociação, planilhas de custos e informações confidenciais que circulam por servidores, computadores, laptops, smarthphones e pela “nuvem” podem ser roubados ou afetados por invasões, já que, qualquer organização que armazena dados pessoais e corporativos de seus clientes na rede está exposta a ataques de hackers, falhas na segurança de sistema, divulgação de informações sigilosas e contaminação da sua base de dados por vírus, entre outros riscos.

A preocupação das empresas não é só com a perda de seus dados, mas também com os dos seus clientes, pois, quando há a responsabilidade pela guarda de informações, um eventual vazamento desses dados pode acarretar em muitos prejuízos, inclusive a obrigação de indenizar os clientes.

Segundo pesquisas realizadas por empresas de segurança, mais de 50% das empresas brasileiras já foram vítimas de algum tipo de ataque virtual e ainda não possuem tecnologia para se defender dessa ameaça.  

Além disso, com o avanço da tecnologia, a proteção de dados se torna cada vez mais difícil contribuindo para os hackers conseguirem mais formas de explorar as falhas dos sistemas com o objetivo de obter benefícios ilegais.

Para proteger as organizações de riscos digitais e cobrir os prejuízos causados por esses ataques, as seguradoras estão oferecendo pacotes cada vez mais completos de cyber seguro. As apólices não abrangem apenas a responsabilidade civil em reparar o dano, mas também os prejuízos da empresa e de terceiros, incluindo desde perdas por interrupções de negócios, custos de remediação até extorsão cibernética, envio de notificações aos consumidores afetados, danos à reputação e à marca, investigação forense e ações jurídicas, entre outras coberturas. Já, em relação à terceiros, o seguro cobre principalmente eventos de responsabilidade de dados, mídia e de segurança de rede.

Para contratação de um seguro, as seguradoras avaliam o segmento de atuação no empresa, tipo de sistema de dados que ela possui e a forma como ela se protege. Esses dados são fundamentais para definir o valor de um seguro que certamente irá ajudar a minimizar os riscos e reduzir os prejuízos em caso de um ataque cibernético.

A Mark & Bridges em parceira com a Corretora Success Corp oferece uma suite completa que atende desde as fases inciais de avaliação de riscos de ataque até a contenção do ataque e de todos os prejuízos que ele venha gerar a empresa.